CYPE 3D

Dados gerais

O CYPE 3D calcula qualquer tipo de estrutura constituída por barras de betão, de aço, mistas de betão e aço, de alumínio, de madeira, ou de qualquer material, incluindo o dimensionamento de ligações (soldadas e aparafusadas de perfis de aço laminado e composto em duplo T e perfis tubulares) e as fundações com placas de amarração, sapatas, maciços de encabeçamento de estacas, lintéis e vigas de equilíbrio. As barras de madeira, de aço ou de alumínio, os pilares e as vigas de betão armado, podem ser dimensionados pelo programa. Os pilares mistos de betão e aço podem ser verificados pelo programa.

Funcionando como programa independente, o CYPE 3D também permite a discretização de estruturas através de placas (elementos planos bidimensionais de espessura constante cujo perímetro seja definido por um polígono) para calcular os seus esforços e tensões.

Realiza o cálculo, dimensionamento e verificação da resistência ao fogo de perfis de madeira, bem como a verificação da resistência ao fogo e o dimensionamento do revestimento de proteção para os perfis de aço. Efetua a análise ao sismo da estrutura. Com vento e sismo, considera os efeitos de 2º ordem (P-delta).

O CYPE 3D,  pode funcionar como programa independente e, também, dentro do CYPECAD como estrutura 3D integrada.

Estados limite, ações, combinações e cargas

Estados limite

É possível configurar diferentes estados limite para cada material.

O programa também permite visualizar e imprimir uma listagem com as combinações, com e sem ações sísmicas, onde se mostram os coeficientes parciais de segurança (majoração das ações) e os coeficientes de combinação ψ para cada tipo de ação (ou natureza).

Ações e combinações de ações

O CYPE 3D gera automaticamente o peso próprio das barras introduzidas que constituem a ação permanente de peso próprio. É possível acrescentar um número indefinido de ações adicionais de igual ou diferente natureza (revestimentos e paredes, sobrecarga, vento, sismo ou neve).

O utilizador pode definir as ações simples que desejar e decidir se se combinam de maneira compatível, incompatível ou simultânea. O programa gerará automaticamente a combinação destas ações de acordo com as possibilidades indicadas.

Por exemplo, o programa gera automaticamente a combinação da ação correspondente a uma situação de cargas composta por uma sobrecarga genérica e a atuação de um carro de cargas com distintas posições. As posições do carro são incompatíveis entre si, mas cada uma delas é compatível com a sobrecarga genérica e com o resto das ações de diferente natureza.

Podem visualizar-se as combinações de ações geradas entre as ações da mesma natureza. Deste modo, é possível que o utilizador verifique se as possibilidades indicadas estão as corretas.

Múltiplos tipos de carga

Admite múltiplos tipos de carga como por exemplo, pontuais, lineares, lineares variáveis em altura, superficiais, superficiais variáveis em altura, incremento e gradiente de temperatura, momentos, etc. As cargas podem introduzir-se nos nós e nas barras.

As cargas superficiais introduzem-se sobre panos, são definidas geometricamente pelo utilizador mediante um polígono fechado. Estas cargas podem estar aplicadas em toda a superfície do pano ou em superfícies poligonais contidas neste. O utilizador também indica a direção da distribuição unidirecional das cargas introduzidas sobre o pano que deve ser paralela a um dos lados do pano.

A distribuição de todas as cargas aplicadas sobre o pano é isostática, realiza-se sobre as barras contidas no pano que não sejam paralelas à direção de distribuição. Para o caso das cargas definidas numa superfície específica do pano, a distribuição só afeta as barras mais próximas da superfície definida.

Nas estruturas 3D integradas do CYPECAD também é possível definir cargas superficiais tal como no CYPE 3D. Nos seguintes vídeos dispõe-se de informação detalhada sobre:

É possível definir deslocamentos prescritos nos encastramentos e apoios, e rotações prescritos nos encastramentos. Estes deslocamentos e rotações provocarão esforços sobre as barras, pelo que quando se definem é necessário atribuir os seus efeitos a um tipo de ação.

Tipologia de nós

A tipologia de nós é muito completa. Podem definir-se vinculações interiores e exteriores. As vinculações exteriores permitem que os tipos de nós possam definir-se como articulados, encastrados, semi-encastrados, apoios elásticos (molas), apoios com deslocamentos livres segundo um plano ou reta a definir, etc. 

É possível definir Relações entre nós. As relações dos nós são utilizadas para indicar que dois ou mais nós têm deslocamentos iguais em todas as ações. A equalização dos deslocamentos pode ser definida numa, duas ou três direções segundo os eixos globais X, Y e Z. O número correspondente a cada grupo ou conjunto de nós cujos deslocamentos estão relacionados é mostrado no ecrã.

Deve ter-se em conta que, para que dois ou mais nós tenham deslocamentos iguais entre si, deve haver algum elemento ou disposição construtiva na estrutura que efetivamente concretize a hipótese de deslocamentos iguais.

Não é permitido atribuir relações aos nós que fazem parte dos bordos de sistemas de contraventamento quando o deslocamento tem projeção sobre o plano desse sistema.

Tipologias estruturais de barras no CYPE 3D

O CYPE 3D permite a introdução de barras de betão, de aço, mistas de betão e aço, de alumínio, de madeira, ou de qualquer material.

O programa dimensiona a secção, até à sua otimização máxima, as barras de aço, de alumínio, de madeira, de betão (se a sua tipologia estrutural for definida como pilar ou viga).

As barras mistas de betão e aço podem-se definir se a sua tipologia estrutural for do tipo pilar e, embora não se dimensionem automaticamente, são verificadas pelo programa com as características indicadas pelo utilizador.

A introdução dos conceitos de pilar e viga no CYPE 3D implica a caracterização das barras do modelo como pertencentes a uma tipologia de elemento estrutural. A partir da versão 2016.a no CYPE 3D as barras atribuem-se a um dos quatro seguintes tipos de elementos estruturais:

Elemento estrutural tipo “Genérico”

As peças definidas deste modo podem desempenhar qualquer papel estrutural no programa. O material que se pode atribuir é: aço (laminado, composto ou enformado), alumínio, madeira, betão ou qualquer outro material definido pelo utilizador (módulo de elasticidade, módulo de Poisson, coeficiente de dilatação e peso específico).

O programa dimensiona automaticamente, se o material atribuído for aço laminado, composto ou enformado; alumínio ou madeira.

Se o material atribuído for betão armado ou um material genérico definido pelo utilizador, o programa calcula os esforços aos quais estão solicitadas as barras, e mostra os resultados por ação, combinação e envolvente; mas não se verificam nem se dimensionam as suas secções. Se deseja verificar e dimensionar barras com secções de betão armado no CYPE 3D, deve defini-las como elementos estruturais tipo pilar ou tipo viga.

Na página Barras definidas como elementos estruturales genéricos dispõe de mais informação sobre estes elementos estruturais. 

Elemento estrutural tipo “Tirante”

A peça faz parte de um sistema de contraventamento e trabalha só à tração. É possível atribuir secções transversais formadas por perfis do tipo chapa laminada, cantoneira laminada, varão ou vergalhão maciço.

Na página Barras definidas como elementos estruturais do tipo Tirante dispõe de mais informação sobre estes elementos estruturais. 

Elemento estrutural tipo “Pilar”

A peça é um pilar e deve ser vertical. As secções que admite são:

  • Betão armado de secção retangular e circular
    Na página Pilares de betão pode encontrar mais informação sobre este módulo, comum ao CYPE 3D e ao CYPECAD, que permite em ambos os programas dimensionar estes elementos estruturais.
  • Secções de aço
    Podem ser definidas por perfis de aço laminado, composto ou enformado.
  • Secções mistas de betão e aço
    Na página Pilares mistos de betão e aço pode encontrar mais informação sobre este módulo, comum ao CYPE 3D e ao CYPECAD, que permite em ambos os programas dimensionar estes elementos estruturais.

Na página Barras definidas como elementos estruturais do tipo “Pilar” dispõe de mais informação sobre estes elementos estruturais. 

Elemento estrutural tipo “Viga”

A peça é uma viga, não pode ser vertical e não deve estar rodada em torno do seu eixo longitudinal. As secções que admite são:

  • Betão armado de secção retangular, em L, em T…, com treliça ou pré-esforçada
    Na página Vigas de betão pode encontrar mais informação sobre este módulo, comum ao CYPE 3D e ao CYPECAD, que permite em ambos os programas dimensionar estes elementos estruturais.
  • Secções de aço
    Podem ser definidas por perfis de aço laminado, composto ou enformado.

    Quando se define uma peça como viga, a viga é composta por uma única peça. Não obstante, o programa permite a definição de vigas contínuas compostas por várias vigas.
  • Madeira
    Podem ser definidas por secções retangulares de madeira serrada ou laminada. Na página Perfis de madeira pode encontrar mais informação sobre este módulo, comum ao CYPE 3D e ao CYPECAD, que permite a ambos os programas dimensionar estes elementos estruturais.

Na página Barras definidas como elementos estruturais do tipo “Viga” dispõe de mais informação sobre estes elementos estruturais. 

Outras características das barras

Encurvadura e encurvadura lateral

O CYPE 3D permite ao utilizador introduzir os coeficientes β de encurvadura ou o comprimento de encurvadura, o coeficiente de momentos e o coeficiente C1 da formulação do momento crítico de encurvadura lateral (se a norma selecionada o definir) de cada barra. Em termos gerais, cada norma indica os valores para estes coeficientes associados a distintas distribuições de momento fletor entre pontos de travamento.

Também calcula automaticamente o comprimento de encurvadura das barras segundo um método aproximado, baseado em fórmulas comummente aceites, solicitando ao utilizador a classificação da estrutura como do tipo nós móveis ou nós fixos. O utilizador também pode ativar em qualquer barra a verificação de encurvadura lateral.

Limitações de flecha

O programa possibilita ao utilizador limitar a flecha das barras para que no dimensionamento dos perfis tenha em conta a restrição imposta (além da tensão, esbelteza, encurvadura lateral, etc). O utilizador pode impor limites à flecha máxima e relativa, tanto para valores absolutos, como para valores relativos ao comprimento entre extremos e pontos de inflexão da deformada. A flecha pode definir-se como secante ou tangente a um dos extremos. Também é possível definir uma peça composta por várias barras alinhadas para que o programa verifique a sua flecha como uma única barra. Os quadros de diálogo que limitam a flecha das barras dispõem de ajudas, que definem perfeitamente os tipos de flecha que o utilizador pode limitar e o comprimento que serve como referência à flecha relativa.

Ajustes, deslocamentos e rotações

Na introdução de barras é possível realizar ajustes, deslocamentos e rotações relativamente ao eixo de introdução da barra. A excentricidade produzida por estes ajustes e deslocamentos considera-se no cálculo, pelo que o programa permite ao utilizador considerar a verdadeira posição relativa entre barras.

Coeficientes de encastramento e rigidezes rotacionais

Nos extremos de peças (barras ou conjunto de barras alinhadas que formam uma peça), o programa permite atribuir os coeficientes de encastramento xy e xz ou atribuir rigidezes rotacionais nesses planos. A definição das rigidezes rotacionais permite a modelação das ligações cuja rigidez à rotação é fundamental considerar, como é o caso das ligações aparafusadas.

Em cada ligação aparafusada dimensionada, o programa também calcula (para todas as combinações de esforços atuantes) as rigidezes rotacionais de cada ligação e seleciona um valor da rigidez rotacional para cada extremo da peça, que será proposto ao utilizador para um novo cálculo da estrutura.

Após o cálculo, o programa avisa se a rigidez rotacional introduzida pelo utilizador nas peças encastradas a ligações aparafusadas difere em mais de 20% da proposta pelo programa ou se não está definida.

O CYPE 3D permite ao utilizador tanto atribuir automaticamente as rigidezes rotacionais propostas pelo programa, como rever as que desejar, para decidir em cada caso quais as rigidezes rotacionais que quer adotar.

Na secção Rigidezes rotacionais nos extremos da peça da página Ligações aparafusadas pode obter mais informação sobre as considerações que o CYPE 3D realiza sobre as rigidezes rotacionais.

Placas no CYPE 3D

O CYPE 3D inclui a possibilidade de definir elementos de placa. As placas são elementos planos bidimensionais de espessura constante e sem aberturas, cujo perímetro está definido por um polígono.

Para efeitos de cálculo, as placas introduzem-se na matriz de rigidez global da estrutura, mediante um modelo de elementos finitos tridimensionais de placa plana triangulares de seis nós (quadráticos). O tipo de elemento utilizado baseia-se na sobreposição de dois elementos desacoplados localmente: um indica a rigidez axial (esforços de membrana) e outro a rigidez à flexão (esforços de placa).

Para cada placa, é possível definir:

  • Espessura e módulo de winkler
    Na direção Z local.
  • Material
    Betão, aço laminado, aço enformado, alumínio e genérico (especificando o módulo de elasticidade e o coeficiente de Poisson).
  • Posição
    Relativamente ao plano de introdução
  • Discretização
    É possível controlar a densidade da malha definindo a dimensão máxima do tamanho do triângulo nas direções x e y locais.
  • Orientação dos eixos
  • Vinculação interior
    Vinculação interior das arestas com outros elementos da estrutura.
  • Vinculação exterior
    Também é possível definir a vinculação exterior das arestas, mas neste caso, esta aplica-se a todas as placas que partilham a aresta. As possibilidades de vinculação exterior são as mesmas que as disponíveis para os nós do CYPE 3D.
  • Bandas de integração
    As bandas de integração em placas definem linhas sobre as quais, para uma determinada largura de banda, se integram os esforços correspondentes à placa para se obter esforços de barra.

Para poder utilizar placas no CYPE 3D é necessário que a licença de utilização disponha de permissão para o programa CYPE 3D.

Na página Placas planas dispõe de mais informação sobre estes novos elementos que se podem introduzir e analisar no CYPE 3D (interação com outros elementos da estrutura, introdução de dados, definição de cargas, consulta de esforços…).

Seguidamente mostram-se alguns exemplos gráficos de estruturas criadas com placas no CYPE 3D:

Verificação de resistência ao fogo

Com o módulo Verificação de resistência ao fogo, o CYPECAD e o CYPE 3D realizam:

  • Para pilares, vigas e barras de aço
    A verificação da resistência ao fogo e o dimensionamento do revestimento de proteção necessário segundo as normas CTE DB SI 6 e Eurocódigo (EN 1992-1-2:2004 e EN 1993-1-2:2005).
  • Para vigas e barras de madeira
    A verificação da resistência ao fogo e o dimensionamento das secções de madeira face à ação do fogo para que cumpram a norma selecionada (CTE DB SE-M –Espanha-, NBR 7190 ou Eurocódigo 5).

Em Verificação da resistencia ao fogo pode encontrar mais informação sobre esta verificação nos programas da CYPE Ingenieros.

Ligações soldadas e aparafusadas

Os módulos de ligações concebidos pela CYPE Ingenieros (Ligações I Soldadas para Naves com perfis laminados e compostos em duplo TLigações II Aparafusadas para Naves com perfis laminados e compostos em duplo TLigações III Soldadas para Edificação com perfis laminados e compostos em duplo TLigações IV Aparafusadas para Edificação com perfis laminados e compostos em duplo T e Ligações V Treliças planas com perfis tubulares) podem utilizar-se tanto no CYPECAD como no CYPE 3D (incluindo as Estruturas 3D integradas do CYPECAD).

A tipologia de ligações implementada nos módulos Ligações I, Ligações II e Ligações V tem maior campo de aplicação nas naves introduzidas no CYPE 3D e nas Estruturas 3D integradas do CYPECAD, a tipologia de ligações que dimensiona o módulo Ligações III e Ligações IV tem um campo de aplicação mais amplo nas estruturas de edificação de pórticos que se calculam no CYPECAD. De qualquer forma, cada ligação dimensionada por qualquer dos módulos indicados, resolve-se do mesmo modo num programa ou noutro. De facto, os módulos Ligações I, Ligações II, Ligações III e Ligações IV possuem tipos de ligações comuns.

Em cada um dos seguintes pontos pode encontrar informação sobre as características destes módulos:

Placas de amarração

O CYPE 3D dispõe de vários módulos que permitem a edição, verificação e dimensionamento de placas de amarração: o módulo Placas de amarração e os módulos Ligações I, Ligações II, Ligações III e Ligações IV. O módulo “Placas de amarração” resolve placas de amarração para qualquer disposição de pilar metálico de aço e os módulos de ligações só resolvem placas de amarração soldadas de perfis laminados e compostos em duplo T.

As características das placas de amarração dimensionadas expõem-se seguidamente.

Características das placas de amarração contempladas no CYPE 3D

  • Tipos de placas
    • Módulo Placas de amarração
      Dimensiona edita e verifica placas de amarração soldadas para qualquer disposição de pilar metálico de aço (perfis simples e múltiplos, laminados, compostos e enformados). Não inclui o cálculo e dimensionamento das soldaduras entre placa, rigidificadores, pilar e pernos, exceto para perfis laminados ou compostos em duplo T.
    • Módulos Ligações I, Ligações II, Ligações III e Ligações IV
      Dimensiona edita e verifica placas de amarração soldadas de perfis laminados e compostos em duplo T.
  • Soldaduras: Inclui o cálculo e dimensionamento das soldaduras entre placa, rigidificadores, pilar e pernos.
  • Edição de placas de amarração: O utilizador pode editar as placas de amarração, modificá-las manualmente e verificar a sua conformidade.
  • Igualação automática: Iguala automaticamente as placas de amarração da mesma obra (tendo em conta o tipo de perfil, os esforços e as vinculações exteriores). Deste modo e sem intervenção do utilizador, reduz-se o número de tipos diferentes de placas, uniformizando assim os resultados.
  • Vista 3D com elementos e soldaduras diferenciadas: É possível ver no ecrã uma vista 3D com cores diferentes para a placa, pilar, rigidificadores, pernos, soldaduras realizadas em fábrica e soldaduras realizadas em obra, do mesmo modo que se representam as ligações entre perfis em duplo T. Esta visualização funciona como uma ajuda para melhorar a compreensão da montagem do apoio.
  • Pormenor da placa de amarração: Gera-se um pormenor da placa onde se indicam detalhadamente as soldaduras dimensionadas e os rigidificadores. Estes pormenores podem incluir-se nos desenhos de obra.
  • Listagens de verificação e medição: Geram-se listagens de verificação e medição das placas de amarração calculadas, integradas com o resto de ligações calculadas.

Opções de cálculo para as placas de amarração

As opções de cálculo das placas de amarração configuram-se no diálogo Opções (menu Obra> Dados obra> Ligações> Opções).

Verificações em placas de amarração

O CYPE 3D realiza as seguintes verificações para dimensionar as placas de amarração (assumindo a hipótese de placa rígida):

  • No betão onde apoia a placa verifica-se:
    • A tensão de compressão: A tensão de compressão na interface placa de amarração-betão deve ser menor que a tensão admissível do betão que depende da natureza de cada combinação.
  • Nos pernos de amarração verifica-se:
    • A resistência do material dos pernos: Descompõem-se os esforços atuantes, sobre a placa, em esforços axiais e transversos nos pernos e verifica-se que ambos os esforços, em separado e interagindo entre eles (tensão de Von Mises), produzem tensões menores do que a tensão limite do material dos pernos.
    • A amarração dos pernos: Verifica-se a amarração dos pernos no betão de tal maneira que não se produzam falhas por falta de aderência, nem o arrancamento do cone de rotura, nem a fratura por esforço transverso (esmagamento do perno).
    • Esmagamento do perno: Em cada perno verifica-se que não se supera o esforço transverso que produziria o esmagamento da placa contra o perno.
  • Na placa de amarração verifica-se:
    • As tensões globais: Nas placas com consola, analisam-se quatro secções no perímetro do perfil, verifica-se em todas elas que as tensões de Von Mises sejam menores que a tensão limite segundo a norma.
    • As flechas globais relativas: Nas consolas das placas verifica-se que não aparecem flechas maiores que 1/250 do vão da consola.
    • As tensões locais: Verificam-se as tensões de Von Mises em todas as placas locais, ou seja, naquelas subplacas que tanto o perfil como os rigidificadores dividiram a placa de amarração propriamente dita. Os esforços em cada uma das subplacas obtêm-se a partir das tensões de contacto com o betão e os esforços axiais dos pernos. O modelo gerado resolve-se por diferenças finitas.

Fundação

O CYPE 3D calcula e dimensiona sapatas e maciços de encabeçamento. Ambos os elementos de fundação podem ser isolados ou combinados, e admitem qualquer número de pilares.

As sapatas podem ser de betão armado ou de betão simples, de altura constante ou variável, e o programa pode dimensioná-las de modo que sejam quadradas, retangulares, excêntricas, de canto ou faceadas. O cálculo e dimensionamento de sapatas constitui um módulo do CYPE 3D.

Os maciços admitem múltiplas estacas. Podem ser de 1, 2, 3 e 4 estacas; maciços lineares e retangulares de qualquer número de estacas (de 3 a 30 estacas por lado); pentagonais de 5 e 6 estacas e hexagonais de 6 e 7 estacas. O cálculo e o dimensionamento dos maciços de encabeçamento das estacas constitui um módulo do CYPE 3D.

Tanto às sapatas como aos maciços de encabeçamento de estacas, podem chegar vigas lintéis e vigas de equilíbrio. O cálculo e dimensionamento de vigas lintéis e vigas de equilíbrio constitui um módulo do CYPE 3D.

Em Cálculo e dimensionamento de fundações pode encontrar mais informação sobre as fundações que o CYPECAD e o CYPE 3D dimensionam.

O CYPE 3D permite selecionar o tipo de equilíbrio das vigas selecionando o tipo de diagrama de tensões que atuará sob a sapata como resposta do terreno, para efeitos de cálculo dos esforços sobre a viga de equilíbrio e das tensões do terreno.

  • Diagrama retangular de tensões sob a sapata:

Se esta opção for selecionada, assume-se que o equilíbrio da viga é perfeito, resultando num diagrama de tensões retangular do solo.

  • Diagrama trapezoidal de tensões sob a sapata:

Admite-se que o equilíbrio da viga não é perfeito, ou seja, que ocorre uma certa rotação da base, resultando num diagrama de tensões trapezoidal e, portanto, um relaxamento das esforços que atuam na viga. Sendo o diagrama de tensões sob a sapata trapezoidal, a sua resultante aproxima-se do pilar, resultando numa redução do momento sobre a viga de aproximadamente 10%.

Ajudas na introdução de dados

Assistente de introdução de dados

Quando se cria uma obra no CYPE 3D, é apresentado um assistente que permite ao utilizador introduzir os dados gerais da obra:

  • Normas (Betão, Aço laminado e composto, Aço enformado, Madeira e Alumínio) e ativação da norma sísmica.
  • Ações adicionais.
  • Estados limite (combinações de ações).
  • Dados do aço (laminado ou composto e enformado).
  • Dados da madeira.
  • Dados do alumínio.
  • Dados da fundação.

Os dados dos materiais introduzidos no assistente são os dados por defeito atribuídos a cada peça introduzida. Através da opção Descrever material do menu Barra, é possível atribuir a qualquer peça, um material diferente do definido por defeito para a obra.

Todos os dados introduzidos no assistente podem ser modificados após ter finalizado o assistente. As alterações podem fazer-se no menu Obra> Dados gerais do separador Estrutura e do separador Fundações.

Importação de ficheiros IFC

O CYPE 3D permite a importação de modelos de análise estrutural a partir de ficheiros IFC. Os ficheiros IFC que só disponham do modelo físico e não do modelo de análise estrutural, não contêm qualquer informação que o CYPE 3D possa ler.

Nos ficheiros em formato IFC, o modelo de análise estrutural é composto por entidades de tipo estrutural, tais como nós, barras, cargas, etc. Também se definem as relações entre nós e barras de forma explícita através de condições de vinculação. É análogo ao modelo que o utilizador define no CYPE 3D.

As entidades que o CYPE 3D importa dos ficheiros IFC são as seguintes:

  • Nós (IFCStructuralPointConnection), com as suas condições de vinculação exterior.
  • Barras (IFCStructuralCurveMember), com as suas condições de encastramento nos extremos e as suas descrições.

Introdução das barras da estrutura

O CYPE 3D importa ficheiros gerados em programas de CAD, em formato DWG e DXF de duas e três dimensões. Com eles poderá gerar automaticamente a geometria da estrutura (inclusivamente selecionando os elementos a importar classificados por layers, entidades, cores ou tipos de linha).

Também é possível importar ficheiros de desenho em formato DXF ou DWG para utilizá-los como máscaras. Deste modo, o utilizador pode introduzir os nós e as barras da estrutura capturando as entidades e os elementos destes ficheiros nas janelas 2D do programa. A importação e utilização dos ficheiros de desenho DXF e DWG realiza-se tal como no CYPECAD. O utilizador dispõe de três botões na barra de ferramentas que permitem gerir a utilização destes ficheiros:

  •  Importa DXF e DWG, e permite gerir as suas layers.
  • Ativa ou desativa a visualização dos DXF e DWG importados na janela ativa.
  •  Permite gerir as capturas de entidades e elementos dos DXF e DWG que se visualizam nas janelas 2D da obra.

Dispõe também de outras ferramentas que facilitam a introdução de dados: Zoom, Redesenhar, Ortogonal, Desfazer, Refazer, Repetir última seleção de elementos, etc. Pode realizar capturas (extremo, ponto médio, perpendicular, mais próximo e intersecção) e rastreios (prolongamento, perpendicular, ortogonal) sobre elementos da estrutura.

Com a geração de vistas poderá trabalhar com janelas em 2D e 3D (de toda a estrutura ou parte dela) de maneira totalmente interativa e com total conectividade. Inclusivamente, nas vistas 3D que aparecem no ecrã, surge a marca do plano da vista 2D na qual esta posicionado o cursor.

O CYPE 3D também contém comandos para realizar gerações automáticas, como a geração de nós, barras e malhas espaciais formadas por tetraedros. Além disso, é capaz de criar um número ilimitado de pórticos paralelos a partir de um só.

Os elementos cotam-se sem introduzir coordenadas nem malhas rígidas. Quando se introduz um nó ou uma barra, o programa atribui-lhes umas coordenadas que dependem da posição do cursor na linha ou linhas de referência que se capturam. Depois, o utilizador pode cotar os nós ou deixar as coordenadas atribuídas.

Cálculo com multiprocessadores

O CYPECAD e o CYPE 3D utilizam no cálculo das suas estruturas o potencial dos multiprocessadores.

Para tirar partido destas prestações, o CYPECAD e o CYPE 3D, dispõem de dois módulos comuns que permitem poupar uma substancial quantidade de tempo de cálculo:

  • Cálculo em paralelo com dois processadores
  • Cálculo em paralelo até oito processadores

Em Cálculo com multiprocessadores pode encontrar mais informação sobre estes módulos e um estudo comparativo que mostra os tempos de cálculo com e sem a sua utilização.

Resultados, desenhos e listagens

Os diagramas e envolventes de esforços e as deformadas podem-se consultar no ecrã de forma gráfica ou analítica.

A ferramenta para a verificação de barras no ecrã (tensãoencurvadura lateralesbeltezaflecha…) permite uma correção manual ou automática até ao dimensionamento final.

Desenha os planos de qualquer vista da estrutura, com a informação que se deseje, inclui alçados com a dimensão real do perfil. Poderá exportar os desenhos para formato DXF e DWG ou imprimir diretamente para a impressora ou plotter.

Gera vistas 3D em perspectiva cónica ou isométrica com os perfis em verdadeira grandeza. Estas vistas 3D podem imprimir-se ou exportar-se para ficheiros em formato DXF, DWG, EMF, BMP e JPG. Nelas, podem-se mostrar os elementos com texturas que se assemelham às cores reais dos seus materiais. O utilizador pode representar a vista 3D sem materiais ou com eles:

  • Sem materiais
    Mostra as cores que diferenciam os elementos da vista 3D mesmo que se trate do mesmo material.
  • Com materiais
    Mostra os elementos da vista 3D com texturas que se assemelham às suas cores reais.

Proporciona total liberdade para mover-se pelo interior da estrutura numa perspetiva cónica.

Obtém listagens de dados de nós, barras e cargas; de resultados de deslocamentos, reações, esforços, tensões, flechas, sapatas, placas de amarração, etc. da estrutura. Inclui as listagens de medições. Estas listagens podem exportar-se para os formatos TXT, HTML, PDF e RTF. Também pode obter uma vista preliminar das mesmas.

Listagens justificativas de verificações dos estados limite últimos

O CYPECAD, o CYPE 3D e as Estruturas 3D integradas do CYPECAD geram listagens justificativas de verificações dos estados limite últimos de perfis de betão armado, aço, madeira e alumínio.

Estas listagens contém todas as verificações realizadas pelo programa para dimensionar os perfis e constituem um importante documento com o qual o utilizador pode:

  • Verificar o dimensionamento
  • Otimizar o dimensionamento

O nível de pormenorização destas listagens também proporciona um carácter didático, pois permite ao utilizador conhecer todas as verificações a que está submetido um perfil.

Em Listagens justificativas de verificações de estados limite últimos pode encontrar mais informação sobre estes documentos (modos de obtenção, tipos de perfis e normas para as quais se podem gerar, etc).

Outras funcionalidades

Módulos do CYPE 3D

A fim de ter acesso a outras funcionalidades oferecidas pelo programa, existem vários módulos que podem ser encontrados na página “Módulos do CYPE 3D“.

Interoperabilidade com outros sistemas

CYPECAD, as Estruturas 3D integradas do CYPECAD e o CYPE 3D podem exportar a estrutura calculada e dimensionada para TEKLA Structures. Mais informações sobre opções de exportação podem ser encontradas em Como exportar do CYPE para TEKLA® Structures?